Um vasto tapete de réplicas de sementes de girassol em porcelana montada pelo artista Ai Weiwei, cada uma feita à mão e pintada à mão pelos habitantes de Jingdezhen, a ‘capital da porcelana’ de sua China natal.

Ai Weiwei

Ai Weiwei posa com um punhado de sementes para a imprensa desta manhã. (Lennart Preiss / AP)



Ai Weiwei



Os trabalhadores limpam as 'sementes' em preparação para a abertura; mais de 100 milhões estão espalhados pelo chão do corredor. (Peter Macdiarmid / Getty Images)



Ai Weiwei

Uma fotografia em close-up de algumas das sementes, cada uma delas queimada duas vezes: uma antes de ser pintada à mão, mais uma vez depois. Cada um é único. (David Levene para o Guardian)

Ai Weiwei



A equipe da Tate Modern começa a lançar as sementes. (Peter Macdiarmid / Getty Images)

Ai Weiwei

Os visitantes serão incentivados a percorrer a instalação e recolher as sementes - mas não a roubá-las. (Stefan Wermuth / Reuters)



Ai Weiwei

Eles poderão até deitar, caso queiram ... (Fiona Hanson / PA)

Ai Weiwei

Um close-up das sementes empilhadas no chão do Turbine Hall. (David Levene para o Guardian)

Ai Weiwei

Um fotógrafo aumenta o zoom para ter uma visão panorâmica. (Stefan Wermuth / Reuters)

Ai Weiwei

As sementes de girassol são um petisco chinês onipresente, mas também foram um alimento comum durante os anos difíceis da Revolução Cultural. Alguns também podem pensar na globalização movida a escravidão. (David Levene para o Guardian)

Ai Weiwei

(David Levene para o Guardian)

(Visitou 1 vezes, 1 visita hoje)